A redenção como supressão do trágico entre os Édipos de Sófocles

Daniel Toledo

Resumo


O propósito maior do artigo é apontar em que medida a redenção final do protagonista do Édipo em Colono acarreta a impossibilidade de subsistência de qualquer dos paradigmas trágicos precedentes ao ir de encontro ao clímax construído inicialmente por meio do Édipo Rei. Segundo tese a ser aqui defendida, ao ter sua vida consumada pela graça divina, a figura do herói trágico, neste momento crucial, prenuncia uma identificação com aquela noção de hieros subjacente à metafísica cristã da caritas dissolvendo a hybris enquanto elemento essencialmente trágico.


Palavras-chave


Édipo; redenção; graça; metafísica

Texto completo:

PDF

Referências


AZEREDO, Vânia Dutra de (org.). Encontros Nietzsche. Ijuí: Unijuí, 2003.

BONNARD, André. A civilização grega. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

BRANDÃO, Jacyntho Lins (org.). O enigma em Édipo Rei. E outros estudos de teatro antigo. Anais do I Congresso Nacional de Estudos Clássicos. Belo Horizonte: CNPq/UFMG, 1984 (Publicações do Departamento de Letras Clássicas da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais: vol. 5).

EASTERLING, P. E. / KNOX, B. M. W. The Cambridge History of Classical Literature. Vol. 1: Greek Literature. Cambridge: CUP, 2008.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 2003.

GIRARD, René. A violência e o sagrado. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

GOETHE, Johann W. Escritos sobre literatura. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.

KIRKWOOD, Gordon MacDonald. A Study of Sophoclean Drama. New York: Cornell University Press, 1994.

KITTO, H. A tragédia grega. Estudo literário. 2 vols. Coimbra: Arménio Amado, 1972.

KNOX, Bernard. Édipo em Tebas. O herói trágico de Sófocles e seu tempo. São Paulo: Perspectiva, 2002.

LESKY, Albin. A tragédia grega. São Paulo: Perspectiva, 2006.

LLOYD-JONES, Hugh. The Justice of Zeus. Berkeley: University of California Press, 1983.

NIETZSCHE, Friedrich. Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe in 15 Bänden. Herausgegeben von Giorgio Colli und Mazzino Montinari. Berlin/New York: de Gruyter, 1999.

NOVAES, Adauto (org.). Os sentidos da paixão. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

REINHARDT, Karl. Sófocles. Brasília: UnB, 2007.

RICOEUR, Paul. Leituras 3. Nas fronteiras da filosofia. São Paulo: Loyola, 1996.

RUDNYTSKY, Peter L. Freud e Édipo. São Paulo: Perspectiva, 2002.

SALLIS, John. Crossings. Nietzsche and the Space of Tragedy. Chicago/London: The University of Chicago Press, 1991.

SÓFOCLES. Édipo em Colono. Tradução do grego e prefácio de Donaldo Schüler. Porto Alegre: L&PM, 2010.

________ Édipo em Colono. Tradução e introdução de Padre Dias Palmeira. São Paulo: Martin Claret, 2006.

__________ Édipo Rei. Tradução e introdução de Trajano Vieira. São Paulo: Perspectiva, 2007.

SOPHOKLES. Antigone. Griechisch/Deutsch. Übersetzung und Nachwort von Norbert Zink. Stuttgart: Reclam, 2005.

TOLEDO, Daniel. O fundamento trágico da metafísica a partir da ontologia de Heidegger. A originária correlação histórico-existencial entre tragédia e niilismo. Saarbrücken: NEA, 2015.

VERNANT, Jean-Pierre / VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e Tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 2008.

WINNINGTON-INGRAM, Reginald Pepys. Sophocles. An Intepretation. Cambridge: CUP, 1980.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.