Estratégias no tratamento das paixões (de Antifonte a Sócrates)

Livio Rossetti

Resumo


A Grécia arcaica e clássica desenvolveu diferentes atitudes diante do tema das pulsões. O mais antigo consiste em tratá-las como um evento externo e substancialmente ingovernável, que se pode apenas sofrer, pelo qual a “vítima” das paixões merece compaixão em lugar de crítica ou desprezo. Segundo essa escola de pensamento, as paixões são uma enfermidade pela qual não se é propriamente responsável. Antifonte de Atenas estabeleceu uma estratégia retórica de intervenção sobre algumas formas graves de perturbação, que lhe permitia contrastar de modo eficaz a idéia de intolerabilidade da própria condição. A estratégia de Sócrates parece apoiar-se na pré-comprensão das paixões.

Palavras-chave


Antifonte; Sócrates; akrasia; katharsis

Texto completo:

PDF PDF (English)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.